GEPETO E PINÓQUIO.

Gepeto e Pinóquio.

siro (1)Siro Darlan. Desembargador do Tribunal de Justiça e Conselheiro do Flamengo

                               Há três anos Gepeto resolveu ser candidato à Presidência do Flamengo, empresário do sistema financeiro, muito bem sucedido, alimentado e educado nos moldes de um sistema onde a liberdade era restrita, vislumbrou a possibilidade, de associado a um grupo acostumado a ganhar no mercado de capital, apostar suas fichas em uma das marcas mais cobiçada do Brasil, o Flamengo. Foi impugnado por não apresentar ficha limpa e não preencher os requisitos legais de tempo de casa.

      1                         Não teve dúvida. Para realizar seu cobiçado sonho construiu um boneco, colocou uma Bandeira em sua mão e lhe deu vida e nome: Pinóquio, e resolveu apostar suas fichas numa marionete. Ledo engado. Ao lhe dar vida própria e o poder, Pinóquio encheu-se de amor ao poder e para isso se utilizou da máquina enferrujada que há muito vive costeando o poder e prometeu-lhes não cobrar explicações sobre inexplicáveis transações. Elegeu-se com um vice com integridade moral a quem desprezou não lhe permitindo sequer uma sala de trabalho. Elegeu um Presidente do Conselho Diretor, e não conseguindo subjugá-lo pressionou sua saída usando para tanto sua milícia azul.

                               Conforme é de sua tradição massacrou a oposição expulsando e exilando os líderes da oposição com julgamentos opressores e ilegais, eis que os juízes nunca eram isentos e sim comprometidos com a marcha dos azuis, alguns inclusive de sua diretoria. Assim foram exilados Leonardo, Paulo Cesar Ferreira, Gonçalo Veronese e outros que o incomodavam. Donos do poder absoluto mudaram o Estatuto do Clube e infiltraram nos Conselhos seus asseclas organizados como milícias. Acabou a democracia rubro negra, e todos inclusive os mais tradicionais quadros permaneceram calados com esse domínio.

                               As finanças, linha de frente de seu programa, com a ajuda da mídia cooptada, parece ser um sucesso. A troca de seis por meia dúzia induziu muitos ao engano da solução de trocar a dívida pública pela privada. O clube tem hoje todo seu patrimônio comprometido, a dívida dobrada e as receitas comprometidas até o ano 2020. As compras de jogadores pelos amadores do futebol trouxeram inúmeros e inexplicáveis prejuízos financeiros, sendo o maior deles a doação do artilheiro Hernani aos árabes sem que o clube reembolsasse uma moeda. Os demais esportes foram extintos enterrando a tradição do remo, dos esportes olímpicos e da natação que foram sepultados impunemente.

                               O manto rubro negro foi vítima do sacrilégio de ter sido pintado de azul e mesmo seus mais radicais defensores calaram-se diante desse pecado capital. Hoje o clube já descaracterizado com os azuis no comando. Anuncia-se uma nova eleição e Gepeto cobra de sua criatura o compromisso de ser o seu sucessor. Picado pela mosca Azul, Pinóquio se rebela contra seu criador e nega o cumprimento do compromisso. Arma-se com seu exército azul e parte para a guerra.

                               Você votaria numa criatura que traiu seu Criador? Traiu seu vice-presidente, o Presidente do Conselho Deliberativo, seu aliado, e tantos outros companheiros? Você votaria num Criador que foi traído pela criatura que criou para ser sua marionete, dando-lhe vida própria, com tanta ingenuidade? Ou a traição foi justamente pelo amplo conhecimento que tem de seu Criador?

                                               Rubro Negro de verdade a hora é essa. Temos que unir a Nação. Para tanto é preciso União. Não pode haver uma oposição dividida como estão os duzentos tons de azul. Temos que ter uma proposta de fortalecimento do clube, com a volta de todos os esportes tradicionais, a anistia ampla geral e irrestrita a todos os que foram punidos e calados pelo autoritarismo e arbítrio. Somos uma só família e podemos divergir e criticar-nos no livre exercício do direito à liberdade de expressão do pensamento sem ser punidos ou excluídos. Temos que exigir o respeito a todos aqueles que dirigiram o Flamengo, ainda que tenham cometido erros ou acertos. Todos serviram ao Clube durante um período importante de suas vidas e lhes devemos gratidão e respeito. O Flamengo não começou em 2013.

                                               Precisamos de União em torno de um nome capaz de unir o clube para vencer essa eleição e resgatar as tradições rubro negras que não comporta outras cores. Precisamos achar esse nome de consenso para não partirmos divididos. Será o Cacau Cotta, que tantos e relevantes serviços têm prestado ao Flamengo? Será o Jorge Rodrigues que independente dos cargos que ocupou ou não é um Grande Benemérito do Flamengo? Precisa ser uma pessoa que queira servir ao Flamengo sem dele servir-se. Que dê tudo pelo Flamengo, sem nada querer do clube. Mas, sobretudo que não nos divida, mas nos una para que fortalecidos resgatemos os valores do nosso amado Flamengo.

Esta entrada foi publicada em Opinião. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.