NOSSOS AYLANS

Nossos Aylans.

siro (1)Siro Darlan, desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e Membro da Associação Juízes para a democracia.

 

Herinaldo, 11 anos, Eduardo, 10 anos, Patrick, 11 anos, Christian, 13 anos, dentre outros que são diariamente abatidos pelas balas assassinas de uma policia desqualificada numa guerra que tem no seu comandante a frieza capaz de deixar corado um Milosevic com suas 230 mil mortes. Esse comandante manda que prendam jovens negros sem dinheiro e sem documento quando a ele caberia à efetivação de politicas públicas que proporcionasse oportunidades para que a juventude fluminense tenha acesso a documentos e ao dinheiro fruto de seu trabalho, se trabalho houvesse.

1Insatisfeitos com a politica do apartheid promovida, onde os recursos são aplicados do túnel Rebouças pra cá, enquanto os demais contribuintes têm a recepciona-los as blitzes policiais para impedir que tenham acesso ao bem público comum: as praias litorâneas é grande o número de mortes de ambos os lados nessa guerra fratricida onde o policial, mal remunerado e explorado pelo excesso de trabalho e com a saúde física e mental debilitada é colocado em confronto com a população excluída de seus direitos fundamentais.

O próprio chefe dessa empreitada policialesca insiste em declarar que sua guerra está perdida se o seu governo não levar outras secretarias aos lugares “ocupados” por suas milícias armadas. Insiste o secretário que sem a ação da educação, saúde, saneamento básico, lazer, esporte, justiça, a guerra está perdida.

Mas o comandante como um autista sem tratamento insiste em avançar com a violência matando crianças e adultos, aos quais busca imediatamente imputar ações criminosas como fizeram com as crianças assassinadas e como fazem com os cadáveres arrastados pelas escadarias em seus chinelos de dedo. C comandante jacta-se de ter a policia que mais prende adolescentes, como se isso não fosse motivo de vergonha, já que orgulho teria aquele governante que pudesse se orgulhar de ter o maior número de jovens matriculados nas melhores escolas que o Estado pudesse fornecer.

A interrupção covarde da infância de tantas crianças deveria ser motivo de escândalo e de uma profunda investigação para apurar as responsabilidades pessoais. Senão aqui por falta de instituição que assuma essa responsabilidade em algum Tribunal Internacional essa responsabilidade tem que ser apurada.

Esta entrada foi publicada em Opinião. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.