O DIREITO DE SERMOS LIVRES DO MEDO.

O DIREITO DE SERMOS LIVRES DO MEDO
Siro Darlan*

Em janeiro de 1941, o presidente dos EUA era Franklin Delano Roosevelt. A II Guerra só o tragaria com o ataque a Pearl Harbor, no dia 7 de dezembro daquele mesmo ano. Não obstante, como compete a um estadista, FDR sabia de antemão o que lhe reservava o futuro e proferiu, naquele janeiro, um de seus mais famosos discursos, perante o Congresso Americano: “The Four Freedoms” (As Quatro Liberdades).

Roosevelt alertava para a necessidade de que a nação estivesse preparada para os futuros combates e ciente cada um de suas responsabilidades, a começar pelos homens públicos.

A certa altura de seu pronunciamento, o presidente explica que “As coisas básicas esperadas por nosso povo de seus sistemas político e econômico são simples: oportunidades iguais para jovens e outros, emprego para os que estejam aptos a trabalhar, segurança para os que dela necessitem, o fim dos privilégios especiais de poucos, a preservação das liberdades civis para todos”.

A isso, acrescentou: “Nos dias futuros, cuja segurança buscamos, antecipamos um mundo fundado sobre quatro liberdades humanas essenciais … de opinião e de expressão …. de cada pessoa cultuar Deus à sua própria maneira … de arbítrio …. e do medo…”

Relendo essas palavras ditas por Roosevelt às portas do maior enfrentamento bélico que nosso mundo já assistiu, paro para refletir na sua aplicabilidade para o Brasil de hoje, especialmente no Rio de Janeiro, Estado onde um terremoto moral, com epicentro em São Gonçalo, continua a reverberar nas mentes de todas as pessoas de bem.

Olho para um lado e vejo a patifaria da representação política. Para outro – e lá se encontra o reinado das castas atracadas como sanguessugas ao que deveria ser “res publica”. Mais além, a impunidade passeando por bondes homicidas de um estado desgovernado; em brinquedos que dardejam a morte à deriva nos parques de diversão, numa cidade onde os fiscais só atuam de brincadeira; nas saias parlamentares em que o movimento sempre-livre da corrupção absorve a gosma que se derrama dessa gente imunda.

Por fim, observo a todo redor a terra de meu país, encharcada com o sangue derramado por Patrícia Acioli, Leopoldo Marques do Amaral (juiz do MT, assassinado em 1999), Antonio José Machado Dias (magistrado paulista, morto em 2003), Alexandre Martins de Castro Filho (juiz do ES, morto em 2003), Fabrício Ramos Couto (promotor no PA, abatido a tiros em 1996), Manoel Alves Pessoa Neto (promotor do RN cuja morte foi encomendada pelo juiz da comarca em que servia, no ano de 1997), Francisco José Lins do Rego Santos (promotor em MG, eliminado pela máfia dos combustíveis em 2002), João Alves da Costa Neto (promotor assassinado em AL, por estar alcançando os mandantes de diversos assassinatos naquele estado), Valdir de Freitas Dantas (promotor do SE, chacinado em 1998), Divino Marues de Melo Amorim (promotor de GO, morto em 2004), Marcelo Dario Muñoz Küfner (promotor do RS, assassinado em 2004), Rossini Alves Couto (promotor em PE, morto em 2006), Fernando Martins (promotor do CE, assassinado em 2004), dentre tantos outros advogados, defensores públicos, ativistas, religiosos, representantes de sindicatos e uma interminável lista de gente de bem vitimada por um Poder Público nulo ou que, quando atua, se põe a serviço do oponente.

Fecho os olhos e assim estou seguro que percebo mais coisas ao meu redor do que qualquer autoridade que esteja inutilmente a procurar os matadores de Patrícia pelo último mês ou a não investigar os que a deixaram morrer sem proteção alguma. A estes últimos conheço logo pelo mau-cheiro que exalam seus obscuros costumes: são os mesmos que manipulam concursos, que se associam a bancas de advocacia, que viajam nas asas da CBF, que atendem aos convescotes de lobistas regados a vinho de boa cepa e negócios escusos, que fazem o jogo de salão das promoções na carreira em troca de favores, que possuem, por assim dizer, uma visão algo peculiar do que seja honrar as vestes que os cobrem, a troco de uns cobres.

Feridas físicas curam; não as do espírito. O de Patrícia jamais irá se recuperar das 21 perfurações de desonra que sofreu por defender um Estado Democrático de Direito que, bem vejo agora, só existia em sua utópica cabeça, porque esse que aí está pode ser chamado de qualquer coisa, menos de Estado, menos ainda de Democrático e sob hipótese alguma de Direito. É nada mais do que um estado de coisas. Péssimo, por sinal.

É por isso que, da mesma maneira, nossa sociedade não encontrará a cura das feridas que leva latejantes em seu seio, em razão da morte de Patrícia Acioli, enquanto não ressuscitar civicamente, milagre que só a apuração de toda a verdade no caso – sem exceção – e tonéis de creolina ética poderão proporcionar. Nessa tarefa, não esqueçamos de pulverizar bem a cabeça oca da Associação de Magistrados do Estado do Rio de Janeiro, que pode ir buscar serenidade num momento como esse em vários lugares, cujo decoro me impede de declinar neste espaço, menos numa realidade conflagrada, que exigie atitudes firmes, rápidas e duras.

Já são trinta os dias de inépcia e irresponsabilidade, com estampidos episódicos de pirotecnica a fazer eco com as balas da PM usadas para eliminar a juíza Patrícia Acioli. Cada um desses dias que passa sem que nada de palpável venha a lume rasga mais fundo as carnes de nosso tecido institucional.
Até quando suportaremos?

Agora que o atentado às Torres Gêmeas faz 10 anos, percebo com clareza que nosso 11 de setembro foi no último 11 de agosto; Patrícia, a mártir; o terrorismo: de Estado. Que algo realmente esteja se movendo no espírito civil de nosso povo (como supõe Merval Pereira) a curá-lo dessa letargia e da amnésia que o fez esquecer o que seja patriotismo irresignado.

Às ruas, cidadãos! Para vivermos livres do medo!

*Siro Darlan é Desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Esta entrada foi publicada em Opinião. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a O DIREITO DE SERMOS LIVRES DO MEDO.

  1. Wilson Júnior disse:

    Doutor Siro Darlan, aqui quem lhe escreve é Wilson Júnior Ex-marido de Patricia Acioli, apenas para agradecer as palavras de manifestação e indignação que o senhor vêem tornando público sei que aqueles anos que ela Patricia passou em seu auxilio na Vara da Infância lá em 1994, foi de grande aprendizado, pois foi vendo o quanto o senhor também foi vítima de um Tribunal preconceituoso, e completamente arcaico com decisões que em nada antedia os interesses daquelas crianças à época, mesmo assim lembro-me que ela Patrícia ficava indignada com as covardias que tentavam fazer com o senhor, que depois ela propria foi vitima ao ser retirada de forma arbitraria e sumariamente do auxílio do doutor Geraldo Prado , por ter cobrado do então governador Marcelo Alencar providencias para adequar o Padre Severino aos padrões determinados no ECA.
    Lembro-me que isto foi uma facada na Patricia, porém determinada que era, resolveu concorrer a uma titularidade e que nunca mais passaria por aquilo.

    Assim, venho em meu nome e em nome dos meus filhos, agradecer todas as manifestações feitas por V.Exª, e saiba que ela Patricia, tinha orgulho de fazer parte junto com o senhor deste time minoritário, porém que lutam por um mundo melhor.

    Wilson Júnior.
    Ex-marido de Patricia Acioli.

  2. Siro Darlan disse:

    Caríssimo Wilson.
    Muito obrigado por suas palavras. Patricia merece e sempre mereceu meus respeitos e minhas homenagens. Ela não voltará a vida, mas não deixaremos que sua imagem e dignidade morram ainda que tenha que passar, como estou passando no TJ, pelos mesmos caminhos tortuosos que atingem todos os que não se conformam com as práticas injustas dentro da Justiça. Mas vale a pena por causas como essa que nos uniu em vida e na memória dela. Um abraço carinhos em seus filhos. Siro Darlan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.