O direito de amar

siro (1)Siro Darlan, Desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e membro da Associação Juízes para a Democracia.

 1           Muito oportunamente estão em cartaz nos cinemas duas lindas histórias de amor entre duas mulheres, uma delas passada em Nova York dos anos 50. Em meio a atos de homofobia e um número elevado de gays que ainda são vítimas de violência, recomendo uma reflexão para esse tema tão importante para a pacificação de nossa sociedade tão marcada pela violência.

“Amar os outros é a única salvação individual que conheço: ninguém estará perdido se der amor e às vezes receber amor em troca”, essa frase escrita por Clarice Lispector está mais que atual e reforça nossa necessidade de respeitar a todos os que amam e qualquer forma de amor. Tudo que precisamos e não podemos abrir mão é de amor.

            O tema não é novo, mas Santo Agostinho, já no século IV abordava essa questão sem a hipocrisia que persiste até hoje quando trata da questão sexual: “Talvez pareça indecente nos estendermos sobre esse tema (relação sexual). Contudo, quem somos nós, comparados à santidade de Paulo? Com devota humildade, com palavras de cura e com o remédio de Deus, Paulo penetrou nos quartos humanos”.

Mais adiante, em um de seus sermões leciona para os padres e bispos da atualidade, antecipando-se aos braços abertos do Papa Francisco, afirmava:” Todos se assombram ao ver a raça humana inteira convergir para o Crucificado. De imperadores a mendigos andrajosos…

Nenhum grupo etário é ignorado, nenhum estilo de vida, nenhuma tradição erudita… já vieram pessoas de todas as classes, de todos os níveis de renda e toda forma de riqueza. É mais do que hora de que todo e qualquer um venha para o interior (da Igreja)”.

1            Esse ensinamento inclusivo daquele que é considerado o mais sábio dos santos, ainda nos primórdios do cristianismo, muito próximo dos intérpretes originais das Escrituras, é um sinal de que precisamos entender que amar alguém, independente do sexo, não é errado, não há pecado algum. Tudo que as pessoas que amam desejam é expandir esse sentimento tão nobre que se tornou o maior de todos os mandamentos.

Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Todo aquele que ama deseja ser correspondido e o amor tudo suporta, menos a rejeição desse amor, que precisa ser correspondido e respeitado.

            Aproveitemos esses episódios culturais, através do cinema e do teatro para aperfeiçoar nossas relações humanas, respeitando todas as formas de amor.

Esta entrada foi publicada em Opinião. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.