AMANHÃ SERÁ UM NOVO DIA.

Amanhã será um novo dia.

Siro Darlan, desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e membro da Associação Juízes para a Democracia.

12928282_628710560609571_7372017493342879357_n

Tenho visitado as escolas ocupadas legitimamente pelos alunos secundaristas do Rio de Janeiro. Nessa época de tanto ódio social e destempero nas relações entre as pessoas. É um alento ver e testemunhar que o Brasil tem futuro através de sua juventude. Os jovens estudantes, aproveitando o vazio da greve dos professores por melhores condições de trabalho, aduziram as suas reivindicações que são resumidamente por uma educação democrática de qualidade. Pleiteiam alcançar o objetivo tão bem resumido na frase de Jigoro Kano: “ Nunca te orgulhes de haver vencido a um adversário, ao que vencestes hoje poderá derrota-lo amanhã. A única vitória que perdura é a que se conquista sobre a própria ignorância”.

13119807_494852004033344_3967372357559709326_o

O que pretendem os jovens estudantes? A democratização do ensino, assegurando-lhes a ampla participação juvenil na formulação, implementação e a avaliação dos currículos educacionais; acesso à produção cultural, à prática esportiva; condições de respeito a seu processo de desenvolvimento com instalações adequadas, aparelho de ar condicionado, carteiras para todos os alunos , sem excesso no número de alunos, acesso aos laboratórios, equipamentos de esportes, livros e biblioteca, instalações democrática dos grêmios, escolha democrática dos diretores das escolas.

Funk1

Esse despertar dos jovens para a cidadania é motivo de muita alegria, porque acredito que passados 26 anos de vigência do Estatuto da Criança e do Adolescente, estão surgindo os “filhos do Estatuto”. Essa nova geração que se apodera de seus direitos e assume a condição de sujeitos de direitos para fazer valer sua cidadania. Após essa “primavera estudantil” as relações professores/alunos, e sobretudo as relações com o poder público responsável pelas políticas educativas terão que mudar radicalmente.

12963444_1585681788411025_961604557193699380_n

 

Não foi diferente a alegria de ver e convocar jovens fanqueiros, que antes eram vítimas de preconceitos e perseguições, inclusive pelo autor desse artigo, convocar a cidadania para uma manifestação cívica em favor do respeito à Constituição e às leis. Justo eles que são vítimas de violência contra seus direitos mais comezinhos de sobrevivência, ocupar civilizadamente as ruas de Copacabana, que tantas vezes lhes foram interditadas para pedir ordem e respeito às leis. A lição de cidadania que foi protagonizada pelos jovens da periferia é de causar inveja às organizações mais radicais e conservadoras.         A resposta veio com o silencia incomodado da grande mídia e da reação persecutória de alguns segmentos mais conservadores e reacionários da sociedade.

Furacao 2000

Esta entrada foi publicada em Opinião. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a AMANHÃ SERÁ UM NOVO DIA.

  1. Alinde disse:

    Sou professora grevista de uma escola ocupada. Fiquei muito feliz ao ler esse texto, e ao saber que, ao invés de se encastelar em preconceito, abriu-se para perceber qualidades no funk (não sou fã do gênero,mas reconheço sua importância para além de alguns problemas). O mesmo ocorrendo em relação às ocupações: visitou-as para conhecer a questão no cerne.
    Acho mesmo que essa geração é filha do ECA, finalmente. Estive ontem presente a uma reunião dos meus alunos com a SEEDUC, na condição de testemunha. Como os meninos procuraram conhecer seus direitos, e tinham uma advogada para orientá-los, deram um show de cidadania e conhecimento, inclusive citando artigos do ECA.
    Termino o comentário parabenizando-o mais uma vez: em tempos de tanta desconfiança em relação à nossa justiça, estou vendo no senhor um sinal de quem nem tudo está perdido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.