ORIGENS DA VIOLÊNCIA.

Origens da violência.

Siro Darlan, desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e membro da Associação Juízes para a democracia.

 

Victor Hugo dizia “Quem abre uma escola fecha uma prisão”. Países como Suécia e Holanda de tanto abrirem escolas agora estão fechando as prisões por falta de ocupantes. Várias são as razões da violência, mas nenhuma é mais evidente do que o desvalor com que são tratados os educadores e a educação em nosso país. O estadista que mais construiu escolas nos dois estados onde governou foi sem dúvida Leonel Brizola. E foi o mais combatido justamente por essa política libertadora. Diziam os adversários que as escolas eram caras, de manutenção custosa e que o projeto dos CIEPs não tinha projeto pedagógico.

Os educadores no Brasil são desrespeitados com seus baixos salários, péssimas condições de trabalho e, ainda perseguidos por sua atuação profética e libertadora de municiar o povo oprimido com a ferramenta do conhecimento. Paulo Freire, o maior de todos, foi perseguido, preso e exilado. Hoje pretende-se o encarceramento intelectual dos mestres com a política que chamam de “escola sem partido”, que na realidade é a escola sem pensamento crítico, escola manietada, escola aprisionada e educandos robotizados.

Já dizia o poeta que “o pensamento parece uma coisa à toa, mas como é que a gente voa quando começa a pensar”. Os mesmos que prenderam nosso Educador e hoje fingem combater a violência direcionando a repressão para a classe trabalhadora e empobrecida enquanto os aviões dos magnatas e políticos espalham o “pó da morte” por todos os cantos, plantaram o ovo da serpente. Em 1993, enquanto combatiam os CIEPs exibiam em sua grade de programação em apenas uma semana 244 homicídios tentados ou consumados, 397 agressões, 190 ameaças, 11 sequestros, 31 crimes sexuais, 60 condução de veículos sob efeito de drogas ou com perigo para terceiros, 12 casos de tráfico ou uso de drogas, 50 de formação de quadrilha, 14 roubos, 11 furtos, 5 estelionatos e mais 137 outros crimes, entre eles tortura (12), corrupção (4), crimes ambientais (3), apologia do crime (2) e até mesmo suicídios (3).

Muitos dos réus de hoje, passados 24 anos, mostram muito do que aprenderam assistindo essa grade televisiva que até mesmo na programação infantil apresentava um quadro com uma média de 58 cenas diárias de violência, que correspondia a 34,9% das 166 cenas de violência exibidas na televisão. As novelas mostravam 166 cenas de violência por semana (21,4 por dia), os seriados 79 (11,2 por dia) e os programas humorísticos e de variedades, 74 (média diária de 10,5). Ora com tanta violência plantada por uma única emissora de televisão há 24 anos, como não chegar ao resultado que da realidade social de hoje? Violência e você, tudo a ver!

Portanto se hoje estamos quase capitulando à violência e aos atos de corrupção temos uma equação social a fazer com os meios de comunicação que, sem qualquer tipo de controle, criminalizaram a educação e os educadores, optando pela política de formação de pessoas violentas para depois jogá-las na sarjeta dos presídios e da exclusão social. Termino com o pensamento de Darcy Ribeiro que dizia: “ Fracassei em tudo que tentei na vida. Tentei alfabetizar as crianças brasileiras, não consegui. Tentei salvar os índios, não consegui. Tentei fazer uma universidade séria e fracassei. Tentei fazer o Brasil desenvolver-se autonomamente e fracassei. Mas os fracassos são minhas vitórias. Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu”.

Esta entrada foi publicada em Opinião. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a ORIGENS DA VIOLÊNCIA.

  1. Considerando o legado desses nobres estadistas, especificamente no viés educacional, podemos afirmar que esses erros – oriundos de uma nobre ideia foram compensados pelas inúmeras discussões geradas ate os dias de hoje.
    Temos que continuar a batalhar por um modelo pedagógico que infelizmente só é encontrado nas escolas particulares, modelo que tratam os alunos como sujeitos e não objeto das intervenções pedagógicas. Mas isso só será possível dentro de uma relação horizontal e dialógica, tecnicamente impossível em uma sala de aula com um media de 40 alunos por turma – turmas do ensino médio do estado. Nesse sentido continuemos fazendo a nossa parte.

  2. Caroline F disse:

    Prezado Dr. Siro,

    Ainda não sou estudante de Direito, pretendo ser. Mas por muitas vezes me questionei se devo de fato mergulhar neste mundo e tentar a carreira jurídica. A minha intenção era poder, através da Justiça, auxiliar o outro, principalmente nossos jovens e crianças que serão daqui a algumas décadas o nosso futuro. Queria muito preparar e auxiliar crianças que nunca tiveram a oportunidade de ter uma família estruturada, educação e comida na mesa. Crianças estas que irão, sem dúvida alguma, superlotar os presídios brasileiros futuramente. Não consigo compreender quem acha que através da educação, do afeto, da empatia por estas crianças nós não conseguiremos diminuir drasticamente a violência no Brasil. É tão óbvio e claro para mim que só existem esses caminhos para melhorar o nosso futuro. Tenho muita vontade, inclusive pelo retorno financeiro, fazer uma carreira jurídica e ter capacidade intelectual e financeira de auxiliar quem eu puder para se tornarem humanos melhores e seguirem suas vidas de forma correta, honesta e digna.

    Não sei se irei conseguir, mas compartilho com o senhor esta minha vontade.

    Adorei a forma humana como escreve os seus textos.

    Atenciosamente,
    Caroline

  3. Siro Darlan disse:

    Prezada Caroline. Felicito-a pel escolha. Precisamos muito de gente solidaria que faca de seu trabalho uma partilha com os mais necessitados. Seja bem vinda. Todo sonho pode ser realizado. Precisa muito esforco e dedicacao. Siro Darlan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *