CIDADE DAS CRIANÇAS, CIDADE ABANDONADA

CIDADE DAS CRIANÇAS, CIDADE ABANDONADA.
Siro Darlan, desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e membro da Associação Juízes para a democracia.

Há dois anos estive na Cidade das Crianças, localizada em Santa Cruz, e fiquei tão orgulhoso e empolgado que tive a sensação de que poderíamos transformar o local num Parque de lazer e diversão para criança e adolescentes que nada ficasse a dever aos parques da Disney.
Crianças pobres ocupavam aquele espaço de domingo a domingo com atividades de teatro, oficinas de lazer aulas de natação, salas de arte, a Recicloteca, o Cine Pipoca, eventos temáticos os mais diversos sempre com direcionamento educativo para a convivência respeitosa com as pessoas e com a Natureza.
A Prof.ª Bia e sua equipe estavam presentes em todas as atividades como se fosse um ser onipresente. Tudo funcionava coma exuberância e dedicação daqueles educadores que acreditam no investimento nas crianças.
Hoje quem passar na Rio – Santos e olhar à direita verá uma grande área abandonada, quase tomada pelo matagal, a piscina antes cheia de gente, sem tratamento virou um criadouro do mosquito da dengue, onde só escapa a excelência do Planetário, um dos melhores da América Latina.
Administrada pela Secretaria de Educação recebe hoje uma verba três vezes superior à que recebia a Secretaria de Esporte e Lazer, e em total abandono. O local é excelente e tem um potencial para se transformar num Parque de lazer igual que os melhores parques de Orlando e se estivesse localizado na zona sul, certamente já o seria. Serve esse alerta para que eventuais deslizes sejam corrigidos em favor da comunidade tão carente e, sobretudo para maior respeito aos direitos das crianças e adolescentes.

Esta entrada foi publicada em Opinião. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.