Esportes e inclusão social.

RAÇAS E ESPORTES.
Siro Darlan, desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e Membro da Associação Juízes para a democracia.

O departamento de Estado dos Estados Unidos mantém um programa chamado “Fullbright Fellowship” que dá a um seleto grupo de profissionais que se destacam em suas respectivas áreas de ensino a oportunidade de mostrar em outros lugares do mundo suas habilidades e qualidades. O Professor N. Jeremi Duru desenvolveu um programa de inclusão racial e social nos esportes norte-americanos que pode nos levar a uma sensível preparação, para enquanto sociedade, sediar os grandes eventos esportivos que em breve acontecerão no Rio de Janeiro.

O episódio de Oruro, envolvendo os torcedores do Corinthians não nos credencia para essa honraria. A violência não é compatível com os esportes, uma vez que a prática dos mesmos exige que se respeite a máxima do “mens sana in corpore sano”. Ora levar armas e objetos de agressão aos estádios esportivos além de afastar os verdadeiros desportistas transforma as arenas esportivas em campos de guerra e inibe a presença de crianças e idosos, que têm iguais direitos às práticas esportivas e não podem ser delas excluídos por elementos que não respeitam a convivência respeitosa e harmoniosa que os esportes proporcionam.

Ficou pior a emenda que o soneto, o fato de se tentar atribuir a um jovem de 17 anos a responsabilidade pelo crime, passando uma falsa impressão de impunidade que não existe nem nas leis bolivianas e muito menos nas brasileiras. O jovem, se o fato tivesse acontecido no Brasil, deveria ser preso e processado, podendo, em caso de comprovação de sua culpa ficar privado da liberdade por um prazo de até 3 anos.

Essa também é a lei boliviana. Contudo essa farsa, que torna o episódio ainda mais grave, não colou nem para as autoridades bolivianas que continuam as investigações, sem se importar com a comédia que tentaram encenar utilizando a pseudo impunidade de um jovem, nem por qualquer pessoa minimamente desenvolvida.

Como se não bastasse a cultura do estelionato político, agora tentam nos impingir uma nova modalidade de estelionato esportivo.

Esta entrada foi publicada em Opinião. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.