Direito à comunicação interna e externa.

Excelentíssima Senhora Presidenta Leila Mariano.

Considerando que V. Exa. está na Presidência do Tribunal de Justiça há mais de trinta dias e já tem demonstrado ser fiel aos compromissos assumidos quando de sua candidatura, enchendo-nos de esperanças da chegada de novo tempos e novos ventos de democratização do poder judiciário;

Considerando o apelo desafiado de contar com “ a participação efetiva de todos os desembargadores, juízes e servidores, com os quais conto para a concretização desse projeto”;

Considerando que um dos pontos chaves para que esse projeto se concretize, sendo um de seus objetivos “ aprofundar a comunicação institucional interna e externa para, através dessa comunicação, melhorar a imagem do Poder Judiciário.”

Urge que uma de suas primeiras medidas concretas seja a revogação do ato autoritário de cerceamento dessa comunicação que impede que cada magistrado ou servidor se comunique com seus pares até o limite de cinco por e mail. Faz-se necessário para que se dinamize essa participação que esse ato seja revogado e substituído pela livre manifestação do pensamento e da livre comunicação interna com o intuito de fazer circular ideias e pensamentos capazes de auxiliar em Vossa Administração visando a melhoria dos serviços judiciários.

Siro Darlan – desembargador da Sétima Câmara Criminal.

Esta entrada foi publicada em Opinião. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.